segunda-feira, 17 de junho de 2013

O Gigante Acordou


Por mais de 500 anos, a grande massa da população brasileira foi oprimida. Isso pode parecer simples simples generalização, mas não é. Por 500 anos, carregamos, nas costas, o peso de quem nos governava: primeiro a monarquia portuguesa, depois, a monarquia brasileira, depois a república oligárquica, duas ditaduras, e agora essa suposta democracia.
Tudo para quê? Para que os governantes ganhem de 17 a R$27mil reais de salário, mais infinitos benefícios, como passagens de avião, despesas de telefone pagos pelo governo, e a polêmica "bolsa-terno". Tudo isso para a Comissão dos Direitos Humanos e Minorias ser chefiada por um homem racista e homofóbico, e as mulheres terem seus direitos "reconhecidos" pela Bolsa Estupro (Estatuto do Nascituro).
E a população aguentou. Aguentou pagar uma das maiores taxas de impostos do mundo, aguentou a inflação subindo, e aguentou a incrível dívida externa do país. Mas foi demais o preço do ônibus aumentar 20 centavos. Aquele foi o estopim, a última gota d'água que fez o copo transbordar. E transbordou.
E antes que qualquer um diga "são só 20 centavos", não. Não são só 20 centavos.
Considerando que são 20 centavos, 2 vezes por dia, 5 dias por semana, 4 semanas por mês, 12 meses por ano, temos um total de 96 reais. Pode parecer pouco, mas tem que se lembrar que a população que vai pagar 8 reais por mês para andar num ônibus lotado, sujo e caindo aos pedaços, é a mesma que tem apenas R$600 para pagar aluguel, água, eletricidade, comida e roupas para toda a sua família.
É como eu li em algum lugar (não lembro onde): os pequenos atos não geram uma revolução, mas geram uma discussão de grandes atos, que levam à uma revolução.
A população de São Paulo começou a protestar contra esse aumento. Isso levou as pessoas à pensarem que não há cuidados com os transportes ou o trânsito. O que levou à pensar que há pouco cuidado nos hospitais, o que faz pensar no quanto nossos deputados ganham e quanto está sendo gasto na Copa do Mundo (apenas R$1.200.000.000,00 no Estádio Mané Garrincha).
Pela primeira vez em 513 anos, a população percebeu que é ela que sustenta o governo, e que se eles não carregarem, o governo cai.
Pela primeira vez em 513 anos, o Brasil está jogando, mas todo mundo está mais interessado nas manifestações.
Pela primeira vez em 513 anos, protestos em todas as cidades estão surgindo, pois cada vez mais e mais pessoas estão desistindo de sustentar o governo, e buscando uma chance de sustentar a si mesmos.
O gigante acordou, e sua higiene está em progresso.

terça-feira, 11 de junho de 2013

Sou Feminista, e você?



Parece batido, esse assunto. "Nossa, uma mulher feminista? Que novidade!" vocês dizem, pensam. Mas a maioria das mulheres não é feminista, muito pelo contrário. Você precisa de provas? Posso oferecer algumas.
1."Nossa, ela ficou com cinco? Que puta!" - esse comentário, normalmente, é dito por mulheres. Sim. Quem fala mal de mulher por ficar com cinco, mas não fala mal de homem por ficar com cinco, é machista. Afinal, se mulheres e homens são iguais e tem o mesmo direito, então porque eles ficam bem na fita e nós não?
2."Ele é homem, tem que pagar a conta" - por quê? Esse conceito de que homem paga a conta surgiu quando as mulheres só serviam para ficar em casa tomando conta das crianças, enquanto o homem trabalhava e ganhava dinheiro. Na hora de comer fora, é claro que o homem que pagava a conta, a mulher não tinha nenhum. Mas agora nós temos trabalho, dinheiro, estudo e podemos pagar a conta tanto quanto vocês. Não estou dizendo que ele não pode pagar a conta de jeito nenhum, apenas que ele não tem a obrigação de fazer isso. Ele pode pagar dessa vez e você paga da outra. Vocês racham. Há várias soluções. Não é obrigação de ninguém.
3."Mulher que transa no primeiro encontro não se dá valor" - de novo, por quê? Esse conceito de mulher casta e pura foi criado junto com o conceito de propriedade privada, só assim o homem poderia determinar que estava deixando seus bens para o filho dele e não para o filho de outra pessoa. Só acho que com a criação de testes de DNA e pílulas anticoncepcionais, esse tipo de pensamento não é necessário. Se você tem vontade e não prejudica outra pessoa, porque não?
4."Todas as mulheres tem que depilar" - pela terceira vez, por quê? Depilação, por mais que a gente acredite o contrário, não é questão de higiene. Pelos foram um melhoramento evolutivo, e se estão aí eram para estar. Desde que você seja limpa e lave com frequência, não depilar não é falta de higiene. É apenas uma questão de gosto. Se você gosta de estar sem pelos, sem problemas. Agora se você prefere ter, que tenha. É o seu corpo.
Pessoas e pessoas podem não concordar com a minha opinião, mas ainda é minha opinião. Eu acredito que se não machuca ninguém ao seu redor, temos que ser quem somos. Porque só aí vamos encontrar alguém que gosta da gente pela gente, e não da máscara criada pela sociedade para que gostem de nós. Se você quer ter cabelo azul, que tenha. Quer fazer uma tatuagem, que faça. Alguém que goste de cabelo azul vai gostar de você. Alguém que goste de tatuagens vai gostar de você. Você não precisa mudar pra se encaixar no que os outros querem que você seja, se não vamos ter um exército de mulheres iguais umas às outras, e quem gosta de originalidade vai ficar sem opção.

sexta-feira, 29 de março de 2013

O Drama do Não Quero Crescer

Há nove anos atrás, minha mãe me deu o primeiro livro da saga do Harry Potter. Eu o li, e foi assim que me apaixonei pela leitura. Depois de Hogwarts, outros universos bateram na minha porta. Cresci com esses personagens. E agora, com 16 anos, eles são tão minha família quando meus pais.
A questão é, eu já tenho 16 anos. Harry já derrotou Voldemort. Percy já cumpriu a profecia. Will já terminou seu treinamento de arqueiro, e Ellie já conseguiu seu país de volta, com seus invasores de lado. E o que me atinge é, eu já cresci. A magia já se foi, o inesperado também. Já não ganho ovos de Páscoa. Os presentes no Natal não são tão importantes. Não celebro mais meu aniversário.
É aquelas coisas simples de ser criança: correr, pular, brincar, se jogar na lama e dar risada. Fechar os olhos e ver outro universo. Apagar imediatamente às 22h de tão cansado que você está, e acordar cedo arrastando o cobertor pra ver desenho, porque passa Pokémon de manhã na TV. Sinto falta dessas coisas. Sinto falta de ser criança. Sinto falta de falar "nossa, eu acho que nunca vai chegar o momento em que eu vou me preocupar com faculdade, com ter ou não filhos, com votar. Está tudo tão longe". E o momento chegou. Chegou a hora de falar pros seus amigos "hey, não dá pra sair hoje, tenho que estudar" porque você quer Medicina e vestibular tá chegando. Chegou o momento em que super heróis não são importantes, porque você tem que ver o jornal em vez de ver as séries que gosta. Chegou o momento de guardar os livros, por melhores e mais envolventes que sejam, pra pegar livros-texto e cadernos de exercício e fazer as tarefas.
Chegou o momento de crescer. E, apesar de todos esses anos, eu criança, falando que queria crescer, eu nunca quis tanto voltar a ser criança. Não me preocupar com cabelo, roupa, maquiagem, perfume. Não ter que estar com um sorriso gigante no rosto porque os outros tem que saber que você está feliz, mesmo quando não está. Chegou momento de fechar os olhos e ver escuridão, porque o mundo de sonhos ficou pra trás, porque o que importa agora é a realidade.
É a hora de tar adeus à Peter Pan. E olá para, como Antoine Saint-Exupéry chamava, as pessoas grandes. Que entendem tudo pelos números, e disseram adeus para a criança interior. Cresceram. Vou crescer. Queira ou não.
E isso me dói.

quinta-feira, 28 de março de 2013

O Drama da Opção Sexual

À uns dois anos atrás eu percebi que eu não era "normal". Eu não era aquela garotinha cujo olhar passava reto pelas mulheres gostosas bonitas e parava nos meninos. Eu olhava para todos. E admirava todos. E gostava de todos. Mas para mim nunca foi motivo de muito pensamento.
Eu sempre fui muito liberal quanto à homossexualidade. Enquanto a maioria das pessoas que eu conheço é "eu respeito, mas quero longe de mim" eu sempre fui "sou indiferente à opção sexual" o que eu acho que, apesar de todos as barreiras vencidas pelos homossexuais, ainda é difícil de achar.
Esse ano eu percebi a grande verdade: eu não sou hétero. Mas também gosto demais de homem pra ser lésbica. A verdade é que eu não sou nem um, nem outro, sou o "meio-termo": bissexual. Não tenho problemas pra lidar com essa verdade: me aceito, 100%. Mas também não contei para nenhuma das pessoas próximas a mim. Não sei porque. Sei como minhas amigas mulheres vão reagir, e isso é um problema, porque vai ser de forma negativa. Os meus amigos homens... alguns acho que vão ficar tipo "nossa, beija uma mulher na minha frente?" enquanto outros vão passar a me evitar. Não quero que meus amigos me evitem.
Também não quero virar motivo de falação -  não acho que eu vá virar, mas mesmo assim não quero correr o risco. Não sei exatamente o que fazer. Gosto dos meus amigos. O único problema deles é que eles não são 100% tolerantes. Não quero perder eles por causa disso, e honestamente, não sei o que fazer. Não sei se conto, não sei se deixo como está.
Talvez eu esteja subestimando a amizade. Talvez eles pensem "ah, a gente já conviveu o bastante com ela pra saber que ela tão normal quanto a gente". Mas tenho medo de não ser assim. E acabar sendo afastada de gente que eu não consigo viver sem.

sábado, 26 de janeiro de 2013

Filmes: Anjos da Noite - Underworld e Anjos da Noite - A Evolução

Ontem a noite e hoje a tarde eu assisti dois filmes muito bons com meu pai. Os filmes não são exatamente recentes - um é de 2003 e o outro é de 2006 - mas eu nunca tinha visto antes, então resolvi fazer uma pequena resenha aqui do mesmo jeito, caso alguém que não tenha visto e esteja na dúvida, possa saber se quer assistir ou não.
Os filmes são "Anjos da Noite - Underworld" - Título Original: Underworld - e "Anjos da Noite - A Evolução" - Título Original: Underworld - Evolution.
O primeiro filme conta a história de Selene, uma Death Dealer - eu assisti em Inglês, então não sei como são chamados em Português - que são uma espécie de "tropa de elite" dos vampiros, que são especialistas em atacar e matar lobisomens. É disso que se trata o filme: uma guerra entre lobisomens e vampiros.
Após um ataque que não deu muito certo - dois Death Dealers mortos e um lobisomem sobreviveu - Selene, descobre uma conspiração: por algum motivo além de comida, os lobisomens estavam perseguindo um humano, o jovem médico Michael. Selene se determina a descobrir porque os lobisomens estavam tão interessados nele, até que descobre que Michael é um descendente humano de Alexandre Corvinus, o primeiro imortal, e cujos filhos deram origem à linhagem de vampiros e lobisomens. E que no sangue de Michael estava a chave para a formação de um híbrido: uma junção entre vampiros e lobisomens, com as habilidades de ambos e as fraquezas de nenhum.
[Spoiler] Selene acaba se apaixonando por Michael, e faz de tudo para salvá-lo, até despertar seu mentor e protetor, Viktor, apenas para descobrir que ele não é quem diz ser, e matá-lo no final do filme.
No segundo filme, Selene continua se esforçando ao máximo para proteger Michael. O vampiro Marcus, o primeiro vampiro, desperta de seu sono, e se empenha em uma busca: conseguir as duas partes da chave para a prisão de seu irmão William, o primeiro lobisomem. Sendo Selene a única pessoa viva que sabe da localização da prisão, Marcus vai atrás dela e de Michael, para saber onde ir quando possuir a chave. Marcus havia tomado, por acidente, sangue de lobisomem, e também se tornou um híbrido. Selene precisa derrotá-lo, antes que ele liberte seu irmão e seja tarde demais.
Ok, essa foi a sinopse. Vou falar agora a minha opinião sobre os dois filmes. Eles são simplesmente fantásticos. Os efeitos são muito bem feitos e as histórias são muito bem elaboradas. Você não imagina que vai acontecer. É interessante o que os vampiros e os lobisomens usam para matar uns aos outros: armas de fogo comuns, mas com balas especiais. Os lobisomens usam balas de raio UV para matar os vampiros com queimaduras de sol em plena noite, e os vampiros usam balas de prata líquida que entram na corrente sanguínea, impedindo a regeneração dos lobisomens.
Muita ação, paixão, amor. O filme é muito bom. Não é de terror. Nem chega perto.
Nota:
Anjos da Noite - Underworld: 9,5
Anjos da Noite - A Evolução: 9 - não gostei da forma híbrida do Marcus. Se ele e o Michael são a mesma coisa, híbridos, porque tem formas diferentes?